Qual é o melhor enxaguatório Bucal?

0
103

Uma das perguntas que mais ouço todos os dias: qual é o melhor enxaguatório bucal?, qual é o melhor produto para os bochechos? Pois é assim que nossos pacientes pedem uma opinião sobre esse tipo produto.

Todo mundo busca uma solução simples para tudo e o enxaguatório bucal parece ser o milagre da higiene bucal, tudo resolvido num passe de mágica. Bocheche diariamente e seus problemas bucais desaparecem: hálito fresco, sorriso radiante, e se prestarmos bem atenção parece que basta bochechar a poção mágica para se transformar na pessoa mais atraente do mundo. Isso nos faz lembrar dos desenhos do Popeye, que se tornava instantaneamente poderoso ao comer espinafre.

A coisa não é bem assim.

Todos os enxaguantes bucais, ou colutórios, independentemente da marca, do preço e até mesmo da presença do álcool, são substâncias que interferem na reprodução das bactérias presentes na boca. (Opa! Sim, alguns contêm álcool, é bom saber.)

Bem, estaria tudo certo se todas as bactérias fossem ruins ou prejudiciais à saúde. Mas convido você a pensar comigo: pães são feitos pela fermentação de bactérias, bolos são feitos por bactérias, vinhos, cervejas, vinagres, queijos, iogurtes e mais uma infinidade incontável de produtos advém da ação de bactérias. Mas, calma!, existem bactérias boas e ruins, e é bom saber disso.

Segundo o professor Consolaro,estima-se que o corpo humano tenha 100 trilhões de bactérias contrastando com 10 trilhões de células. E se o intestino não tivesse bactérias a comida que comemos não seria digerida corretamente e, assim, não absorveríamos substâncias preciosas à nossa sobrevivência e manutenção da nossa saúde geral.

Agora que você sabe que seu organismo precisa, depende, convive e interage com bactérias que fazem bem à saúde, me diga você: o enxaguatório bucal diz qual é o nome da bactéria que ele vai matar? Não, não diz, por que o mecanismo de eliminação não consegue selecionar uma por uma, e a nossa boca é cheia delas e de muitos tipos.

Agora, pensando de novo no nosso intestino,  pergunto: como uma bactéria, das que ajudam o organismo, chegaria ao seu intestino? E eu mesmo respondo: pela boca, pela sua alimentação. Quando tento explicar isso, a maioria das pessoas fica meio perdida. Veja bem, não estou aqui pregando que não se deva usar nenhum enxaguante, que não se devam higienizar alimentos, que se deva comer tudo sem lavar ou qualquer coisa assim.O que quero dizer é que o uso do enxaguatório é que não deve ser constante e diário, mas restrito a tratamentos específicos.

Para limpar a boca e remover bactérias sempre se deve ter como aliados a escova e o fio dental, pois são eles que fazem a remoção física dos microrganismos e restos de comida que ficam presos aos dentes, à bochecha e à língua. O uso dos líquidos para bochechos, no meu modo de ver, deve ser praticado uma vez por semana ou por quinzena, preferencialmente antes de dormir,ou em tratamentos onde o controle bacteriano se faz necessário, porque aqui a conversa passa a ser outra.

E aí vem a bendita resposta à perguntado início: qual é o melhor? Na minha opinião, não há uma marca que seja“melhor” que as outras. No leque das opções, o que se deve levar em conta é o gosto e a adaptação do próprio usuário. Como se diz por aí, fica bem ao gosto do freguês. O que é preciso lembrar, no entanto, é que nunca se deve substituir a escovação ou o uso do fio dental por um líquido milagroso.

Agora, o mais importante deixei para o final: consultas periódicas ao dentista são a melhor forma de prevenção das doenças bucais. Não há fórmula mágica além dessa!